Pesquisar neste blogue

julho 07, 2007

Madressilva (Lonicera japonica)

Família: Caprifoliaceae
Nome comum: Madressilva
Outras variedades: L. chinensis, L. Superba, L. japonica, Purpurea ou var. repens,
L. periclymenum 'Belgica', L. periclymenum 'Serotina', L. 'Graham Thomas', L. x tellmanniana, L. x brownii , L. fragrantissima, L. nitida 'Baggesen's Gold'


Descrição:
A variedade mais vista em Portugal é a Lonicera japonica, cujas flores tubulares têm a pétala superior dividida em duas e são inicialmente de cor branca, mudando no segundo dia para um beije pálido ou um amarelo torrado; as flores nascem aos pares ao longo do caule, desde meados de Junho até fins de Novembro.
A Madressilva é uma trepadeira extremamente vigorosa que pode crescer até 9 metros de altura e com folhas que nos climas mais frios são caducas. As flores têm um perfume acentuado e podem ter frutos, com a forma de pequenas bolas pretas.

Origem: É originária do leste da Ásia e do Japão.

Cultura: A maior parte das variedades desta planta tolera uma grande diversidade de solos, tornando-se fácil a sua cultura. De preferência porém, o solo deve ser organicamente rico por forma a reter bem a humidade. Suporta condições de seca e calor, se bem que se desenvolva melhor quando as raízes estão à sombra e o topo da planta ao sol.
Dado que floresce nos ramos nascidos no ano anterior, deve ser podada imediatamente após a floração; uma poda severa limita não só o crescimento excessivo como ajuda a obter o formato pretendido. Se atingir um tamanho excessivo, pode ser cortada rente ao chão pois voltará a crescer de novo rapidamente. Luz: Local com muito sol ou sombra parcial. Cresce bem um local sombrio mas não dá tanta flor.
Humidade: Tolera tanto solos secos como húmidos.
Resistência: A folha é perene nos climas quentes e caduca nos frios. Regressa rapidamente logo que a temperatura do ar sobe.
Propagação: É fácil de propagar por estaca, retirada no mês de Julho quando a planta se encontra em pleno vigor. Para estimular o aparecimento das raízes, utilize um sistema de aquecimento suave do recipiente onde a estaca foi plantada até as raízes surgirem e mude-a para um local mais frio logo que o sistema de raízes esteja estabelecido.
Muitas variedades propagam-se também enterrando uma das muitas novas hastes parcialmente num vaso ou no chão, onde ganhará raízes. Bastará separar esta nova planta da planta mãe e colocá-la noutro local para que se desenvolva, logo que o sistema de raízes esteja criado.

Aplicações: A Madressilva pode ser utilizada como trepadeira, como planta perfumada em canteiros e ainda como arbusto compacto, se for encaminhada para tomar formas diferentes. É uma trepadeira quase indestrutível cujo crescimento deve ser controlado pois pode fazer desaparecer outras espécies, e constitui também um bom revestimento para solos, crescendo rapidamente e ocultando a terra ou segurando os terrenos de uma encosta, evitando a sua erosão; pode ainda ser domesticada num sistema de treliça ou vedação, emitindo uma fragância muito agradável.
Atrai abelhas e pássaros conhecidos como beija-flores e os frutos são procurados por muitos pássaros canoros. Como atrai insectos polinizadores, pode ser usada com vantagem junto de hortas ou pomares. Estas trepadeiras fazem um excelente contraste quando cultivadas perto de Clematis.

Características: Dada a tendência invasora desta planta, quando não controlada, pode atacar outras espécies cujas raízes começam a secar. Quando atacada por afídeos, a planta enfraquece, podendo secar. Pulverize com um produto adequado e mantenha as raízes da Madressilva frescas e o topo com bastante luz, para evitar o aparecimento desta peste.


07-07-2007

Sem comentários:

Enviar um comentário